festival 'se rasgum': edição especial


Festival Se Rasgum realiza edição especial no Rio de Janeiro

A festa é gratuita e terá cinco shows com dez atrações do Pará na Lapa. O evento foi aprovado pelo edital Mostra Funarte de Festivais de Música nas Olimpíadas.

Brega, pop, guitarrada, tecno, instrumental, carimbó são sonoridades que vão marcar uma noite paraense em terras cariocas. A pluralidade da música do Pará, aclamada no Brasil e internacionalmente, agora aporta no Rio de Janeiro, no período festivo trazido pelas Olimpíadas e Paraolimpíadas 2016. A Se Rasgum Produções, empresa que produz há 10 anos o Festival Se Rasgum em Belém, realiza uma edição especial, o “Festival Se Rasgum nas Olimpíadas”, no dia 17 de setembro na Fundição Progresso, com entrada gratuita. Este projeto integra a Mostra Funarte de Festivais de Música nas Olimpíadas.

Os cinco shows terão como marca uma verdadeira mistura sonora, com encontros inéditos e parcerias que já existem dentro e fora de estúdio, além de promover o encontro de gerações. A história e a música tradicional paraense estarão vivas no show de Pinduca & Manoel Cordeiro, que apresentam carimbó com roupagem contemporânea. Os dois trabalharam juntos pela primeira vez em 2016, na produção do 36o disco de carreira de Pinduca, uma bela compilação dos clássicos de carimbós, comacheiras e siriás que marcaram a carreira do cantor. A guitarrada, outro ritmo típico do norte do Brasil, soa forte no encontro de Félix Robatto & Pio Lobato, que farão uma homenagem ao Mestre Vieira, criador do ritmo. Os dois guitarristas - e pesquisadores da música latino-americana - mostram seus trabalhos de lambada, cumbia, tecnoguitarradas e outras vertentes com o suingue da guitarra paraense.

No festival, a poesia nortista de encantados e da vivência urbana estarão no show de Toni Soares & Ana Clara. Ele é um veterano na música paraense, pesquisador de ritmos tradicionais e propulsor da marujada de Bragança, sua cidade natal. As letras de Toni já encantaram multidões no Arraial do Pavulagem e foram gravadas por vários artistas. Uma delas é Ana Clara, que deu seu toque agridoce de rock, pop e profundidade dramática no primeiro disco, lançado em 2015, com estética jovem mas com maturidade musical. Desde então, a parceria dos dois já rendeu participações em shows e pela primeira vez dividem o palco num momento rico que mostra a singularidade da poética amazônica.

Quem faz pop com traços da música paraense são os jovens Felipe Cordeiro & Luê, que participam da festa. O show contempla o trabalho já consagrado dos dois cantores e instrumentistas, mostrando como soa o experimentalismo de sonoridades e batuques regionais com pop, rock, progressivo de um lado, e lambada, guitarrada, marujada e toadas de boi do outro. Pluralizando ainda mais a noite, Strobo & Jaloo fazem um show eletrônico com influências da música tecno paraense e mundial. O instrumental da Strobo experimenta com programações e efeitos de guitarra e bateria que, nesta noite, encontram as batidas criadas por Jaloo, com estética essencialmente brega pop.

Os shows começam às 22h do sábado, 17 de setembro, e serão divididos entre o Palco Arena e o Palco São Sebastião na Fundição Progresso, localizada no bairro da Lapa. Entrada franca.


MOSTRA DE FESTIVAIS – Durante o período das Paraolimpíadas, o espaço da Fundição Progresso vai receber música dos cinco cantos do País. Seis festivais que representam todas as regiões brasileiras vão participar da Mostra Funarte de Festivais de Música nas Olimpíadas, com shows que contemplam toda a variedade sonora da cultura nacional. Da região Sudeste, o selecionado foi “O Menor Festival de Jazz do Mundo”, da região Centro-Oeste o representante é o “Festival Vaca Amarela” e do Sul o “Morrostock”. Do Nordeste, foram selecionados o “Festival Coco de Nóis e do Mundo” e o festival “A Hora do Coco” e do Norte o “Festival Se Rasgum”. Cada um com uma programação diferente e gratuita, os eventos serão apresentados no mês de setembro, no período das Paraolimpíadas do Rio de Janeiro. A mostra realizada pela Funarte é realizada de 6 a 17 de setembro, às terças, sextas e sábados, a partir de 19h.


MISTURAS DO PARÁ – A música paraense vêm protagonizando uma explosão criativa desde a primeira década do século XXI, tendo o Festival Se Rasgum grande participação como mostra que incentiva e impulsiona a variedade sonora desse estado. Em mais de 10 anos promovendo a música paraense em Belém, o Festival é uma das principais vitrines contemporâneas produzidas na Amazônia, peculiar pela sua regionalidade e originalidade nos flertes com gêneros universais. Artistas paraenses que se destacaram nos últimos anos no cenário nacional já passaram pelo palco do Festival Se Rasgum ao longo de suas dez edições, incluindo Gaby Amarantos, Mestre Vieira, Gang do Eletro, Felipe Cordeiro, Jaloo, Strobo e muitos outros.

Uma das principais características do Festival é a de propor shows exclusivos, colocando dois artistas no palco que, mesmo que sejam de gerações e estilos musicais distintos, formam uma unidade para a apresentação. Em suas edições, o Festival Se Rasgum já uniu no mesmo palco shows como Violeta de Outono (SP) e Pio Lobato (PA), Mestre Vieira (PA) e João Erbetta (SP), Leoni (RJ) e Suzana Flag (PA), Proe.FX (PA) e Arcanjo Ras (SP), Odair José (GO) e Dead Lover’s Twisted Heart (MG), Los Porongas (AC) e Dado Villa-Lobos (RJ) etc. E seguindo esse formato de proposta artística, o Festival Se Rasgum fará a união de artistas paraenses no mesmo palco, tornando essa experiência ainda mais intensa e colocando alguns dos principais gêneros musicais do Pará se apresentando em um show exclusivo, unindo artistas que dialoguem entre si e de diferentes gerações.

Festival Se Rasgum nas Olimpíadas
17 de setembro, a partir de 22h
Fundição Progresso – Rua dos Arcos, 24 – Lapa
Entrada gratuita

Palco Arena
22h - Toni Soares & Ana Clara
00h - Pinduca & Manoel Cordeiro
02h - Felipe Cordeiro & Luê

Palco São Sebastião
23h - Strobo & Jaloo
01h - Félix Robatto & Pio Lobato


Mais informações:

Assessoria de Imprensa
Se Rasgum Produções
Gustavo Aguiar
(91) 3038-3950 / (91) 9 8278-6248

Funarte
(21) 2279-8065 / 2279-8056

precisamos de cabeça para abrigar a memória....

'ainda estou presa na forma.... a que o fogo levou.... me levou.... ' (cris moreno)
centro comercial de belém

orelhão no chão....

ficou dois dias no chão.... por que não colocar uma torre para gps e recarregar aparelhos de celular? fica a sugestão....

av. almirante barroso esquina com a travessa do humaitá, bairro do marco.
aqui jaz um orelhão....


click grátis e rotina do jornalismo....




e ainda:

 Rotina do jornalismo na web e impresso é tema de debate no Sesc
Jornalistas participam de bate papo sobre mídia web e impressa

O cenário do jornalismo mudou bastante nos últimos anos com a inclusão de novas tecnologias. Com o objetivo de refletir sobre cotidiano do jornalismo contemporâneo e seus desafios o Centro Cultural Sesc Boulevard, em parceria com a Comissão de Jornalistas da Imagem do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor/Pa), realiza no dia 02 de agosto, o bate papo “O dia a dia do jornalismo na web e impresso”, com Ingo Müller e Thiago Barros. O evento será às 19h no Cine teatro do Sesc Boulevard e a entrada é gratuita.
A programação é resultado da parceria entre a Comissão e Núcleo de fotografia que desde 2015 realizam juntos várias ações formativas voltadas para o atendimento e valorização dos jornalistas de imagem no Pará. Em 2016 a base das discussões está focada nos novos desafios do mercado de trabalho, questões como o futuro do impresso, o jornalismo na web, o hibridismo entre as técnicas e linguagens.
No segundo encontro organizado pelo Núcleo de fotografia do Sesc Boulevard  e a Comissão de Jornalistas de Imagem do Sinjor, com o objetivo de refletir sobre o dia a dia do jornalismo contemporâneo e seus desafios, a ênfase será nas tendências do jornalismo em suas diversas plataformas diante das novas tecnologias. Ingo Müller, Editor Chefe do G1 Pará/Rede Globo, comentará as necessidades do webjornalismo e as diferentes plataformas exigidas dos profissionais. Thiago Barros, editor executivo do jornal O Liberal, vai falar sobre o funcionamento de uma redação de impresso com os impactos do imediatismo da internet.
Thiago Barros é formado em jornalismo (UFPA) e mestre em planejamento do desenvolvimento sustentável (NAEA-UFPA). No jornalismo impresso há 12 anos, é editor do jornal O Liberal, onde também já atuou como repórter. Já trabalhou em organizações do terceiro setor com ênfase em comunicação, ciência e educação ambiental. Thiago é professor do curso de Comunicação Social da Universidade da Amazônia e um dos coordenadores do projeto de extensão Leiaja PA, que consiste numa sucursal experimental do portal leiaja.com. Para Thiago, a pressão da internet e das novas tecnologias com o jornal impresso faz com que surjam novas formas de consumo de notícias. “A questão é quando essas tecnologias surgem - foi assim com o rádio, fio assim com a televisão - a sociedade desenvolve novas formas de relação com essas tecnologias, entre elas o consumo de notícia. A gente vive essa etapa na internet, mas isso não quer dizer que essa tecnologia vá extinguir o processo anterior, de 200 anos pelo menos, de consumo de informação pelo jornal impresso”, explica.
            Ingo Müller é jornalista com passagens pela produção, edição e núcleo de rede da TV Liberal.  Coordena o G1 Pará e o Globoesporte.com desde a criação dos dois sites, há 4 anos, e em 2016 irá publicar o seu primeiro livro de ficção. Para Ingo "A internet não pode ser vista como um mero suporte para a notícia. Não basta ter conteúdo, é preciso adequar o formato ao meio: compreender suas particularidades é tão importantes para a comunicação efetiva quanto a mensagem".

SERVIÇO: 
Bate papo | O dia a dia do jornalismo na web e impresso
Com Ingo Muller e Thiago Barros
Data: 02/08/2016
Horário: 19h
 Local: Centro Cultural Sesc Boulevard (Boulevard Castilho França, 522/523 - em frente à Estação das Docas) 
Entrada Franca
Informações:   
(91) 3224-5654 (Centro Cultural Sesc Boulevard)  
(91) 4005-9584 / 4005-9587 (Coordenação de Comunicação do Sesc no Pará )

Facebook: Sesc Boulevard 

fonte: ascom/sesc

jesús martín-barbero: os ruídos e redundâncias

As formas mestiças da mídia
[....]Gramsci entende a crise como o velho que morre e o novo que não encontra como nascer. Um tempo em que o velho já se foi, mas em que o novo não tem forma ainda. Portanto estamos habitando algo para que ninguém nos preparou, segundo minha amiga Hannah Arendt, que é a incerteza. Ninguém no cristianismo nem no marxismo nos ensinou a conviver com a incerteza. Então, eu habito um tempo de profunda incerteza. Não é uma incerteza escapista, que me dá o direito de fazer o que tenho vontade porque não sei para onde vai o mundo, não sei para onde vai nada e então me abismo em mim e passo a me dedicar aos grandes prazeres intelectuais, corporais, eróticos, o que seja, porque nada vale a pena. E muita gente acha que eu teria o direito de dizer assim, de tal maneira se desconfigurou aquilo em que eu acreditava, aquilo que eu cria que sabia, aquilo que cria que esperava. Entretanto, creio que a minha incerteza é esperançosa, não otimista, mas esperançada. Sabe como tinha esperança um judeu ateu chamado Walter Benjamin? Sem esperança os judeus não existiriam. Veja o que disse Benjamin: “Não podemos viver sem esperança, mas a esperança só nos é dada pelos desesperados”[....]

saudades: umberto eco

A lição de Umberto Eco contra o fascismo eterno

[....]Gramsci foi mantido na prisão até a morte, Matteotti e os irmãos Rosselli foram assassinados, a liberdade de imprensa suspensa, os sindicatos desmantelados, os dissidentes políticos confinados em ilhas remotas, o poder legislativo tornou-se pura ficção e o executivo (que controlava o judiciário, assim como a mídia) emanava diretamente as novas leis, entre as quais a da defesa da raça (apoio formal italiano ao Holocausto)[....]

[seguir lendo]

boaventura de souza santos: um estudioso

La crisis es una estrategia para liquidar las políticas sociales

El mundo se encuentra en medio de una crisis profunda. Al mismo tiempo quieren hacernos creer que el modelo neoliberal de crecimiento economico permanente es el único posible. El sociólogo Portugués Boaventura de Sousa Santos deshace este mito. Hay alternativas pero el sistema los oprima o impide su visibilidad. De Sousa se dedica a construir una “epistemología” de alternativas. Es tiempo que las universidades abren puertas y ventanas para que entre este conocimiento alternativo, dice de Sousa.

duas imagens, uma paisagem....

Voltamos a ter um mundo unipolar, diz Cristina Kirchner

Em entrevista a veículos internacionais, a líder argentina disse não ter medo de ser presa e que ideia de integração regional está sendo abandonada

[seguir lendo]





Atos de 'governo golpista' provocarão explosões sociais na América Latina, diz Dilma a jornal mexicano


'Esses processos golpistas podem trazer consequências imprevisíveis.

Lamentavelmente o preço a pagar será muito alto', diz presidente afastada