junho 08, 2013

Guardar a informação para confrontar o tempo I


Mesmo sem atualizar a página, continuei com as minhas entrevistas. Para quem trabalha com a informação, o factual exige o imediato. Embora sabendo dos ossos do ofício, decidi acompanhar a atualidade para comparar o que havia absorvido por aí. O mundo se move também na proteção. Confira, mas não esqueça que este presente já é passado(será?).

 
'Somos referência no país': Ethel Soares
 

Ethel Valentina Soares, 48, paraense, diretora executiva da Associação dos Amigos do Arquivo Público do Pará(Arqpep), órgão que se transformou em referência no Brasil em apenas dois anos, dos quatro de existência. A Arqpep é polo de projetos para o BNDES, Petrobras, e outras instituições brasileiras, no quesito de preservação da memória documental. 'Hoje, a Associação está muito maior e funciona de uma maneira mais atuante. No início, nos inscrevemos em 12 projetos nacionais, desses, fomos contemplados com quatro, sendo, a Memória do Mundo(nossa documentação é tombada pela Unesco), Caixa e Petrobras Cultural, e BNDES, neste, agora temos mais responsabilidade, com os recursos triplicados', explica Soares. A entrevista foi concedida no Instituto de Patrimônio Histórico e Geográfico(19/12), onde a restauradora presta serviços como profissional, independente da associação. Há dois meses, Ethel Soares iniciou a restauração de gravuras antigas do artista italiano Joseph Reghini. Das seis existentes e bastante danificadas, quatro já estão concluídas. 'Na verdade, são 12 gravuras do Pará, espalhadas pela cidade de Belém, mas só a metade consta nos arquivos do instituto', esclarece a restauradora, que ainda tratará de quadros e obras literárias, objetos de projetos futuros. O projeto de restauro das gravuras e parte da documentação e fotografias estão sendo patrocinados pelo consulado americano. A previsão de entrega está marcado para setembro de 2013.
 
 
 

 
'O importante não é só clickar': Luiz Galleti



No mês de novembro(2012), a Imprensa Oficial do Estado em parceria com o Senai(São Paulo), ofereceu aos seus funcionários e alguns servidores do estado, o curso Fotografia para Registro Documental, com o designer e fotógrafo paulista Luiz Sérgio Galleti, 39, que percorre o país com palestras, consultorias, assessorias e cursos, além do conhecimento na área criminalística(imagens), MBA em Marketing, pós-graduação em Psicologia na área de vendas, e atualmente pós em Engenharia de Produção. Galleti está produzindo uma tese de doutorado na linha semiótica, ainda inédita no país, sobre a manipulação de imagem, com estudos nas áreas da psicologia americana e alemã e a filosofia oriental, além da produção de um livro direcionado para o ato criativo, no designer gráfico. Para ele, apesar do instantâneo e da acessibilidade da imagem, é preciso ter o estudo antes do click. E o que o surpreende é a procura cada vez maior por esse aprofundamento. 'A fotografia documental ajuda a estender a vida histórica. Quanto menos mexer na documentação, melhor será a sua preservação e já temos equipamento próprio para esse tipo de serviço, não desmerecendo aqui o scanner, que tomava conta disso e que pode ser substituído pela fotografia', dispara o designer que vem do desenho e de uma família de músicos, trazendo na bagagem sete anos de estudos no piano. A abertura do evento ficou por conta da restauradora Ethel Soares com a exposição sobre o surgimento do papel e sua preservação, enquanto Luiz Sérgio Galleti exercitou a teoria e a prática na fotografia documental. Para Ethel Soares, 'o fungo nunca morre, apenas dormece'.
 

'A educação patrimonial seria ideal': Solange Rocha
 
No mês de setembro(2012), a Associação dos Amigos do Arquivo Público do Pará realizou palestras e oficinas sobre Segurança em Acervos Históricos, em parceria com o Museu Paraense Emílio Goeldi e o Museu de Astronomia e Ciências Afins, do Rio de Janeiro. A palestrante Solange Rocha, 56, formada em História, com especialização em restauro de papel, durante 10 anos, aprofundou o conhecimento na área de segurança de acervos, curso oferecido pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rocha trabalha no Arquivo de História da Ciência. 'O que vi, ao longo desses anos, é que há um descaso ou um desconhecimento por parte de dirigentes e políticos. Vontade política é uma coisa que falta, em se tratando de preservação e segurança documental', declarou, embora tenhamos profissionais altamente conscientes e capacitados. A palestrante disse ainda, após viajar por todo o país, que essa consciência existe, eles(profissionais) sabem como começar, como fazer, buscam essas respostas, 'por isso eu agora falo muito na educação patrimonial, abrangendo a população. A educação patrimonial seria ideal'. Embora tímidos, os participantes colocaram na mesa todos os problemas que temos no estado, com relação ao trabalho de preservação e segurança de acervos, o que não causou surpresa em Solange Rocha, ainda mais quando o representante do Exército declarou que sua instituição está, também, buscando conhecimento para tratar adequadamente de sua documentação(todo e qualquer documento militar). 'As dificuldades são as mesmas. Uns são maiores, outros menores', revelou a especialista. E 'depois de ver tudo isso, de analisar e de buscar respostas, eu comecei a pensar na educação patrimonial como fator de segurança, porque não basta só colocar o arquivista, se ele não tem voz. A voz dele alcança os seus pares, mas tem que alcançar quem está acima, e muitas vezes é uma questão política. Todos os políticos, educadores, dirigentes têm que estar voltados especificamente para a preservação, e isso se dá pela educação, desde pequeno', explicou. Para garantir uma memória qualificada, disse Rocha que 'a preservação da memória é interdisciplinar, com a participação de múltiplos agentes, e de uma variedade muito grande de ações: difusão, comunicação, educadores, conservadores, restauradores, arquivistas, bibliotecários, artistas plásticos, enfim, ninguém constrói um país sozinho, e um país não se constrói sem memória., finaliza a pesquisadora. Para Ethel Soares, uma das diretoras da Associação, o evento fez parte da programação anual da entidade.