março 29, 2014

[Ulan] Ecuador: Radio y TV Pública destacada por el apropiado manejo de recursos


Radio Pública de Ecuador
La responsabilidad en sus procesos de contratación, asignación y manejo de recursos durante el 2013, le valieron a los medios públicos de Ecuador una especie de condecoración por parte de la Contraloría General del Estado, destacó Enrique Arosemena, gerente de Radio y Televisión pública del Ecuador (RTVECUADOR), durante su rendición anual de cuentas.

“Durante estos siete años, hemos presentado entre cuatro o cinco informes a la Contraloría General del Estado, en todos y cada uno de los informes hemos tenido una excelente calificación sin ninguna observación. Tenemos condecoraciones de parte de Contraloría en cuanto a nuestro buen uso de los recursos”, indicó Arosemena durante el evento realizado en el auditorio de la institución. La rendición de cuentas 2013 de RTVECUADOR fue transmitida en vivo, vía streaming. Además, los medios públicos cumplieron con la presentación de informes a la Secretaría de Transparencia y en el último reporte la secretaría calificó a RTVECUADOR con un 100% por cumplimiento de transparencia, resaltó el directivo.
“El nivel de sintonía que tienen la radio y la televisión públicas es solo una información, la más importante es la que logramos con el contacto personal con la audiencia”, subrayó Arosemena.
Ecuador TV tiene su matriz en Quito y es el único medio con varias sedes a nivel nacional: en Guayaquil, Cuenca y Puyo. En el año 2008 el porcentaje total de sintonía del canal público de Ecuador era del 0,6% pero en tan sólo seis años logró incrementar al 7%.
En un inicio la señal de este medio fue priorizada para las provincias amazónicas, sumadas a Manabí, Guayas, Pichincha y Azuay. En un segundo momento se busco posicionar la transmisión del canal en las capitales provinciales a nivel nacional incluyendo las islas Galápagos.
“Trabajamos con el principio de universalidad. Una vez consolidada la cobertura nacional, se reforzó en la frontera norte. Culminado el proceso de integración se reforzó la cobertura en las provincias”, explicó Álex Mora, director de noticias del canal público.
En lla actualidad, Ecuador TV tiene un 73% de alcance nacional, que representa un total de 10 millones 571.462 ciudadanos.
Al igual que ECTV, Radio Pública del Ecuador (RPE) mantiene fases de transmisión en todas las provincias del país, actualmente tiene una cobertura del 80% del territorio nacional, lo que representa a 11 millones 632.540 habitantes. RTVECUADOR alcanzó en 2013 el 94,7% de ejecución presupuestaria. En gastos operativos se presupuestó 22,2 millones de dólares y se devengó 20,6 millones.
fonte: Ulan

março 27, 2014

Ulan: Medios latinoamericanos decidirán en Argentina adhesión a nueva red



Ghassan Ben Jeddou, Presidente de Al-Mayadeen
Medios periodísticos de Latinoamérica y el Caribe decidirán en mayo próximo en Argentina su adhesión a una red internacional comprometida con la defensa de la Humanidad, concebida esta semana en El Líbano, supo Prensa Latina. Gustavo Iván Portocarrero, gerente general de la Empresa Estatal de Televisión de Bolivia (Bolivia TV), explicó que en mayo se realizará una reunión de televisoras públicas latinoamericanas como parte de un proyecto lanzado por el canal panárabe Al-Mayadeen, y acogido por su país y Cuba.

El encuentro en Mar del Plata también tendrá presencia de directivos de emisoras radiales, periódicos, agencias de noticias y sitios web informativos para abrazar la idea de la Red Internacional de Medios de Comunicación en Defensa de la Humanidad, indicó Portocarrero antes de partir de Beirut.
La idea, agregó el entrevistado, es concretar lo discutido aquí durante dos días en una reunión convocada por el presidente de Al-Mayadeen, Ghassan Ben Jeddou, y en la que participó, además, el vicepresidente del Instituto Cubano de Radio y Televisión (ICRT) Emilio Moisés García.
En opinión del ejecutivo de Bolivia TV, sólo la efectividad del trabajo día a día, como es la batalla de los medios, hará posible materializar la iniciativa de la Red. “Tenemos que dar a conocer allá lo que pasa en Medio Oriente y aquí lo que ocurre en Latinoamérica y el Caribe”, apuntó.
Debemos procurar que esa información llegue como está planteada en el proyecto, que es basada en la necesidad y la verdad de los pueblos, a partir de sus necesidades y sus luchas constantes, puntualizó al recalcar que “pero eso tiene que ser el día a día, sin burocracias”.
Portocarrero señaló que en la ciudad balneario argentina estará presente el presidente de Al-Mayadeen para que sea también parte, y garantizar que los medios públicos latinoamericanos se junten, aunque ya existen gremios regionales de la radio, la televisión y las agencias noticiosas, acotó.
Asimismo, se espera la incorporación de otras televisoras con visión progresista del mundo, tanto de Medio Oriente como de otras regiones, como es el caso de Russia Today, “porque es importante que estén ahí (en la Red)”.
Respecto a su país, consideró que tiene mucho que aportar, sobre todo porque “la figura de (el presidente) Evo Morales invita a muchas cosas en el sentido de los movimientos sociales y la integración de los pueblos” y se trasladará esa filosofía mediante producciones informativas y documentales.
Los representantes de Al-Mayadeen, Bolivia TV y el ICRT promulgaron el martes en Beirut un comunicado constituyente de la referida red de medios, con la expectativa de que la iniciativa sea asimilada por distintas entidades periodísticas y quede formalmente creada aquí en la segunda mitad de junio.
El texto abogó por articular y revitalizar un periodismo en sus diversos soportes y géneros, que se distinga por ser “libre, justo, objetivo, sin distorsión, falsificación ni exclusión”.
Dicha institución carecerá de filiación política partidista o ideológica, y defiende una “coordinación, acción conjunta, planificación colectiva y producción mutua”, además de que espera ser “un sostén real para las fuerzas de liberación nacional, social y humanitaria en nuestro mundo de hoy”.
Igualmente, rechaza el orden global actual de los medios, que se asocia estrechamente al llamado Orden Internacional, concebido para “imponer su hegemonía sobre el mundo, el mismo modelo y opciones basadas en el monopolio y el dominio, en nombre de una falsa globalización”.
fonte: Ulan

TV Brasil estrena dos series a 50 años del golpe militar: ainda dá para ver!


Hace 50 años, entre el dia 31 de marzo y el 1 de abril de 1964, fue provocado un golpe militar para destituir del poder al presidente Joao Goulart. Censura a la libertad de expresión y persecuciones políticas fueron hechos de la historia reciente de nuestro país. Para recordar este periodo, la tv brasilera monto una programación especial con videos, documentos, programas de entrevistas y documentales periodísticos. El dia 24 de marzo, la tv Brasil exhibe dos series inéditas producidas especialmente para la emisora: “Resistir es necesario” y “Abogados contra la dictadura”. Las dos series puestas en marcha son importantes porque saca a la luz los hechos de nuestra historia reciente: el papel fundamental de la prensa alternativa que actuaba en la clandestinidad por cuestiones de seguridad, que actuaban dentro y fuera de Brasil revelando los males que acontecían  durante el régimen militar, como en el caso de “Resistir es necesario.” Con la actuación heroica de dos abogados que defendían  y representaban a los presos políticos detrás de las barras y en los sótanos, en las oscuridades del régimen, muchas veces sin cobrar por su trabajo, apenas por la acción en defensa de los derechos, de la legalidad y de la solidaridad humana,  es el caso de Abogados contra la dictadura. Son series que contribuyen para la reflexión  de la sociedad sobre este periodo para “que no ocurra mas”, comenta Rogério Brandão, Director de la Productora de TV Brasil.

“Resistir es necesario”

Es una serie que cuenta con diez episodios de 26 minutos de duración y rescata la trayectoria de la prensa brasilera que resistió y combatió al golpe militar. Esta es una serie pionera que incluye testimonios de periodistas y material historiográfico que actuaron en tres frentes de combate: La prensa alternativa, la clandestina y la que actuaba en el exilio. Para recordar y construir esas historias “Debemos resistir” cuenta con la participación de periodistas como: Audalio Dantas, Raimundo Pereira, Paulo Moreira Leite, entre otros.

“Abogados contra la dictadura”

Esta serie también se estrena el dia 24 de marzo. Esta compuesta por cinco episodios de 52 minutos cada uno. Proporciona una vision general  del papel estratégico de la justicia militar durante el régimen, además presta un homenaje a los abogados que intervinieron en defensa de los presos políticos. Esta serie se pudo realizar gracias a la preciosa mirada de uno de los mas grandes documentalistas brasileros, Silvio Tendler. La misma narra los primeros días del golpe militar y como lo vivieron estos abogados que actuarían en defensa de presos políticos, la prisión de dos abogados de izquierda, la resistencia de estudiantes, el primer centro utilizado como prisión de América Latina, entre otros temas.

“Democracia Militar”

El Brasil TV también mostrará, de una manera sin precedentes, la segunda serie sobre el tema especialmente creado por Silvio Tendler. Democracia militar va en directo el 31 de marzo y habla de los hombres del Ejército, Armada y Fuerza Aérea, quien sufrió un duro golpe para reaccionar dentro de los cuarteles. “Siempre pienso en cómo hacer frente a la injusticia y la censura de ningún tipo. Fue así como la idea de la celebración de la serie surgió abogados, también muestran cómo no todos los militares perseguían y torturaban. Algunos se vieron expulsados​​, privados de sus derechos, las Fuerzas Armadas han sacrificado sus vidas en nombre de la dictadura”, concluye el cineasta.

Resistir es necesario – debut el 24 de marzo a las 19.30 horas (de lunes a viernes, con diez episodios). Abogados contra la Dictadura – debutan el 24 de marzo a las 23h30 (de lunes a viernes, con cinco episodios). Democracia Militar – estrenará el 31 de marzo a las 23h30 (de lunes a viernes, con cinco episodios)

fonte: Ulan

março 22, 2014

“1964. LEMBRAR PARA NÃO ESQUECER”: 50 anos do Golpe Militar



PROGRAMAÇÃO DA SEMANA “1964. LEMBRAR PARA NÃO ESQUECER”
50 anos do Golpe Militar
31 de março a 6 de abril de 2014

Dia 31 de março (Segunda)

17 horas - Abertura

19:30 horas – Exibição do filme “Jango”, de Silvio Tendler

Sinopse: Um relato da vida política brasileira dos anos 60, tendo como fio condutor a biografia do presidente João Goulart. Sua ascensão e queda até a morte no exílio são reconstituídas a partir de material de arquivo e entrevistas com personalidades como o ministro Afonso Arinos de Melo Franco, o general Antonio Carlos Muricy, Leonel Brizola, Celso Furtado e Frei Betto, entre outros.  

Dia 1 de abril (Terça)

17 horas - Painel: 1964. O GOLPE

Participantes:

- Alfredo Oliveira, escritor. (Pará)
- Pedro Galvão, publicitário. (Pará)
- Marco Antônio Coelho, jornalista. (São Paulo)
- José Seráfico de Carvalho, professor. (Pará)
- André Nunes, jornalista e escritor. (Pará) (Mediador) 

Apresentação do Conjunto Madrigal da UEPA
Lançamento da segunda edição do livro “Relatos Subversivos”, de Pedro Galvão, Roberto Cortez, Ronaldo Barata, Isidoro Alves, José Seráfico, André Costa Nunes, João de Jesus Paes Loureiro e Ruy Antônio Barata.
19:30 horas – Exibição do filme “O Dia que Durou 21 Anos” de Camilo Tavares

Sinopse: Este documentário mostra a influência do governo dos Estados Unidos no Golpe de Estado no Brasil em 1964. A ação militar que deu início a ditadura contou com a ativa participação de agências como CIA e a própria Casa Branca. Com documentos secretos e gravações originais da época, o filme mostra como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson se organizaram para tirar o presidente João Goulart do poder e apoiar o governo do marechal Humberto Castelo Branco.

Dia 2 de abril (Quarta)

17 horas - Painel: 1968. O MOVIMENTO ESTUDANTIL E O AI-5
Participantes:

- Leopoldo Paulino, escritor. (São Paulo)
- Vladimir Carvalho, cineasta. (Brasília)
- Ruy Antônio Barata, médico. (Pará)
- Roberto Corrêa, professor. (Pará)
- Paulo Fonteles Filho, advogado. (Mediador-Pará) 

Lançamento e autógrafos dos livros “Araguaianas”, de Paulo Fonteles Filho; e “Tempo de Resistência”, de Leopoldo Paulino.

19:30 horas: Exibição do filme “Barra 68-Sem Perder a Ternura”, de Vladimir Carvalho
Sinopse: A luta de Darcy Ribeiro nos anos 60 para criar e implantar a Universidade de Brasília e as repetidas agressões sofridas pela UNB após já estar concluída, desde o golpe militar até os acontecimentos de 1968, quando foram detidos numa quadra de esportes cerca de 500 estudantes.                                                   
Dia 3 de abril (Quinta)

17 horas - Painel: A LUTA ARMADA, A CENSURA E A PERSEGUIÇÃO DE ESTADO

Participantes:

- Paulo Markun, jornalista. (São Paulo)
- Cid Benjamin, escritor. (São Paulo)
- Lúcio Flávio Pinto, jornalista. (Pará)
- Hecilda Veiga, professora. (Pará)
- Tito Barata, jornalista. (Mediador-Pará)

Lançamento e autógrafos dos livros “Dando Nome aos Bois”, de João Lúcio Mazzini da Costa e José Seráfico de Carvalho; “Gracias a La Vida”, de Cid Benjamin; e “Que as Armas não Falem”, de Paulo Markun.

19:30 horas: Exibição do filme “Hércules 56”, de Silvio Da-Rin.

Sinopse: Na semana da independência de 1969, o embaixador americano no Brasil, Charles Burke Elbrick, foi sequestrado. Em sua troca foi exigida a divulgação de um manifesto revolucionário e a libertação de 15 presos políticos, que representavam diversas tendências políticas que se opunham à ditadura militar. Banidos do território nacional e com a nacionalidade cassada, eles são levados ao México no avião da FAB Hércules 56. Hercules 56 reúne os sobreviventes do grupo para relembrar os fatos da época. 
Dia 4 de abril (Sexta)

17 horas - Painel: A RESISTÊNCIA E A MOBILIZAÇÃO DEMOCRÁTICA. (O PAPEL DA IGREJA CATÓLICA, A ANISTIA, A CAMPANHA DAS DIRETAS E O COLÉGIO ELEITORAL)

Participantes:

- Paulo Markun, jornalista e escritor. (São Paulo)
- Osvaldo Coimbra, escritor. (Pará)
- Humberto Cunha, agrônomo. (Pará)
- Arnaldo Jordy, político. (Pará)
- Egídio Sales Filho, advogado. (Mediador - Pará) 

Lançamento dos livros “Seu Amigo Esteve Aqui”, de Cristina Chacel; e “Impossível Chão”, de Alfredo Garcia Bragança.

Pocket show com Leopoldo e Rose Paulino sobre a história musical do Golpe.

19:30 horas: Exibição do filme “Muda Brasil”, de Oswaldo Caldeira.

Sinopse: Na tradição do documentário político, este filme brasileiro registra os principais momentos de nosso país desde que se começou a discutir as eleições diretas no governo militar. Durante seis meses, até o resultado do Colégio Eleitoral, no qual Tancredo Neves consagrou-se Presidente da República pelo voto indireto, foi mostrado o fim do período autoritário e as primeiras etapas  da transição para a democracia.  
Dia 5 de abril.(Sábado)

17 horas:  Exibição do filme “30 Anos sem Vladimir Herzog”, documentário produzido pela TV Cultura de São Paulo.

Sinopse: Morto há trinta anos pela ditadura militar, o jornalista Vladimir Herzog, o  longa é um apanhado da vida, carreira e morte de Vlado, contando com depoimentos de amigos e familiares. Entre os entrevistados estão Clarice Herzog, Paulo Markun e Diléa Frate. 
Painel: O CASO HERZOG: TORTURADOS E DESAPARECIDOS.
Participantes:

- Ivo Herzog, diretor da Fundação Vladimir Herzog. (São Paulo)
- Lúcio Flávio Pinto, jornalista. (Pará)
- Sérgio Campos, professor. (Rio de Janeiro)
- Ismael Machado, jornalista. (Pará)
- Afonso Gallindo, cineasta e produtor. (Mediador - Pará) 

Dia 6 de abril (Domingo )
                                                                                                                                                                                                                      
17 horas: Exibição dos filmes “Lua Nova do Penar” de Leila Jinkings e Sidney Pires; e “Araguaia, Campo Sagrado” de Evandro Medeiros
Lua Nova do Penar (Lançamento) de Leila Jinkings e Sidney Pires

Sinopse: Documentário sobre Hiram de Lima Pereira, jornalista, ator, poeta, membro do Partido Comunista, desaparecido político desde 1975, quando foi capturado pelo DOPS paulista. Quase 40 anos depois de seu desaparecimento, as quatro filhas se encontram para falar sobre o pai através da música, elemento unificador no cotidiano da família.
Araguaia, Campo Sagrado de Evandro Medeiros
Sinopse: Relatos de camponeses, ex-mateiros e ex-soldados que testemunharam e foram vítimas das ações do Exército durante o período da Guerrilha do Araguaia. 

Painel: Memórias do Golpe.
Participantes:

- Leila Jinkings, fotógrafa. (Pará)
- Isidoro Alves, antropólogo. (Pará)
- João de Jesus Paes Loureiro, poeta. (Pará)
- Agenor Sarraf, historiador. (Pará)
- João Lúcio Mazzini da Costa, professor. (Mediador - Pará) 

Encerramento 

SERVIÇO

SEMANA “1964. LEMBRAR PARA NÃO ESQUECER”
50 ANOS DO GOLPE MILITAR

De 31 de março a 6 de abril de 2014
A partir das 17 horas
Cinema Olympia

ENTRADA FRANCA

Informações pelos fones: 40062905 e 40062908

Haverá certificado aos participantes  

fonte: Maria Christina

          Realização

http://www.iap.pa.gov.br/


a cid-10: o indivíduo, a sociedade e a literatura....


por quê não? se posso configurar a cid-10 dentro desses aspectos(?), então posso dizer que o século, este, em que estamos vivendo, é o da lou-cu-ra. portanto, trago de volta a 'série estudiosos', iniciando com ela um processo aperfeiçoado, mais bem acabado(pretendo). a série foi inaugurada na época em que estava como blog. vamos lá!

março 12, 2014

da fox vídeo


dentro da revista da fox está a coluna denominada 'Folha de Rosto', do jornalista e crítico de arte, elias pinto. a revista fev/2014 traz este texto gentilmente cedido pelo autor. confira: 

MADE IN PARÁ

A Fox tem uma boa seção de literatura paraense. Na verdade, a Fox tem a melhor estante de literatura paraense entre as livrarias da cidade. Há bons títulos de ficção e não ficção, muitos deles de publicação recente. Boa parte desses títulos, a propósito, teve sessão de autógrafos na própria Fox.

Mas é diante desse representativo acervo de autores locais, no entanto, e paradoxalmente, que se escancara a ausência, entre as lombadas ali dispostas, dos mais importantes escritores da terrinha. Dificilmente o leitor encontrará um Haroldo Maranhão, um Max Martins, um Ruy Barata, um Bruno de Menezes, para remediar os leitores da carência literária dos nossos, dos daqui. Haverá, sim, um e outro Dalcídio Jurandir, reeditado por empenho de seus herdeiros e de alguns poucos estudiosos de sua obra. E um bom sortimento de Benedito Nunes, frutificado graças à semeadura de seu fiel discípulo, Victor Sales Pinheiro.

Claro, a responsabilidade por essa falta, por esse vazio entre as lombadas de autores papa-xibés dispostas em ordem alfabética não é da Fox, mas do nosso raquitismo editorial mancomunado, em alguns casos, com interesses dissonantes (ou sonantes) dos herdeiros. Enquanto isso, obras-primas como Cabelos no Coração e Rio de Raivas, de Haroldo Maranhão, Caminho de Marahu e 60/35, de Max Martins, por exemplo, podem ser encontrados – com muita garimpagem – em alguns sebos espalhados pelo Brasil. Mas nem tudo está perdido – ou esgotado, fora de catálogo. 2014 chega com boas novas, poeticamente falando. Por enquanto, é só o que posso adiantar – ou antecipar. E vamos torcer para que, em breve, as lacunas na estante dos nossos autores sejam devidamente preenchidas, fino biscoito com recheio made in Pará.

O GOLPE CINQUENTÃO

Na edição anterior desta Folha de Rosto comentei a respeito de alguns lançamentos previstos para 2014. Lembrei, entre as datas redondas, que teremos os 60 anos do suicídio de Getúlio Vargas, os 30 anos do movimento das Diretas Já, o centenário do início da Primeira Guerra Mundial e, por fim mas não menos importante (principalmente para nós, brasileiros), uma batelada de livros sobre os 50 anos do golpe de 1964.

Pois o cinquentenário da quartelada já me veio dar às mãos. Da Zahar acabo de receber A Ditadura Que Mudou o Brasil. Organizada pelos professores Daniel Aarão Reis, Marcelo Ridenti e Rodrigo Sá Motta, a coletânea reúne estudos que ajudam a compreender melhor as raízes e os fundamentos históricos do regime ditatorial, cujo legado ainda marca nosso país. Este volume inaugura a série “1964, Cinquenta Anos Depois”, que prosseguirá com a publicação, em breve, de Ditadura e Democracia no Brasil (já agora em fevereiro) e As Universidades e o Regime Militar, em março.

Da tradicional Civilização Brasileira (que passou maus pedaços, no tempo de Enio Silveira, sob o tacão dos militares) recebi duas provas, o texto que antecede a impressão definitiva. Um Homem Torturado: Nos Passos de Frei Tito de Alencar, das jornalistas Leneide Plon-Duarte e Clarisse Meireles, chega em abril. É um relato comovente sobre a vida de frei Tito de Alencar. Estudante de filosofia da USP, onde participava ativamente do movimento estudantil, Tito chegou a ter momentos de dúvida e de incerteza sobre a possibilidade de conciliar Marx e Cristo. Foi ele quem conseguiu o sítio para o famoso Congresso da UNE, em Ibiúna, desbaratado pela repressão em 1968. Com outros frades dominicanos, aliou-se à Ação Libertadora Nacional, de Carlos Marighella, dando apoio logístico à organização. Perseguido, Frei Tito foi preso e submetido a duras sessões de tortura. Seus relatos sobre o cárcere ultrapassaram a prisão e foram publicados na revista americana Look, rendendo a ele o prêmio de reportagem do ano de 1970, concedido pelo New York Overseas Press Club. Mas as marcas deixadas foram profundas demais: em setembro de 1974, o corpo do frade de 28 anos apareceu pendendo de uma árvore, perto de uma área inóspita, às margens do rio Saône. Tito preferiu a morte a ter de viver com o fantasma da tortura.

Para seguir os passos de Tito de Alencar Lima desde o dia em que foi preso até o seu suicídio, em 1974, na França, as autoras consultaram vasta bibliografia sobre o tema e ouviram alguns dos 69 prisioneiros políticos que deixaram o Brasil junto com Tito, no voo para Santiago, trocados pelo embaixador suíço Giovanni Enrico Bücher, em 1971. O corpo do Frei Tito veio para o Brasil em 1983 e hoje repousa em Fortaleza.

A outra prova é a do livro 1964: O Golpe Que Derrubou um Presidente e Instituiu a Ditadura no Brasil, de Jorge Ferreira e Ângela de Castro Gomes, programado para fevereiro. Numa linguagem objetiva, sem exageros acadêmicos ou notas de rodapé excessivas, que podem tornar o texto menos atraente para o grande público, eles destacam personagens e momentos que marcaram o período, relembrando falas de personalidades e trechos de jornais que noticiaram o golpe. É isso. É preciso estar atento e forte.

GOSTEI DE LER


Aproveitando que vocês estão passando pela estante de autores paraenses, procurem A Feira da Noite, do companheiro Edgar Augusto. É um delicioso pot-pourri de causos da noite belenense, de seus músicos e poetas, tendo por cenário, entre outros, o Quem São Eles e bares que a memória boêmia guarda, desafiando a coletiva amnésia alcoólica, como o Maracaibo e a Casa do Choro. O livro do Edgar nos deixa um gosto de quero mais, de outra saideira, e mais outra, e mais outra...

fonte: Elias Pinto

da estante virtual

http://www.estantevirtual.com.br/conteudo/especial-poesia?utm_source=emailmkt&utm_medium=email&utm_campaign=dia-da-poesia
click nesta imagem!




Uma Canção de Amor - Uma homenagem às grandes declarações em forma de música


Nos próximos domingos a capital do estado recebe uma belíssima atração musical que irá homenagear os grandes compositores e intérpretes das canções românticas brasileiras.

Com o tema Uma Canção de Amor, o show relembra grandes sucessos que embalaram os corações apaixonados desde 1900 até o final da década de 50. Pixinguinha, Ary Barroso, Lupicínio Rodrigues, Catulo da Paixão, Herivelton Martins, Ataulfo Alves, Silvio Caldas e Orlando Silva, serão algumas das grandes estrelas da composição, que serão rememoradas no palco.

Uma Canção de Amor, inspira-se nos gigantes da era de ouro do rádio e seus interpretes da música nacional, como Dalva de Oliveira, Ângela Maria, Elza Soares, Elis Regina, Nelson Gonçalves, Maysa, e tantos outros, que influenciaram gerações de grandes artistas.  
A realização do musical, que terá sua primeira edição no SESC, dia 16 de março, partiu da necessidade de ver nos palcos paraenses a preservação de grandes sucessos que estão no inconsciente coletivo da música brasileira, ou por que não falar, as grandes “dores-de-cotovelo” que marcaram uma geração.

O show pretende envolver o público na grande atmosfera das décadas homenageadas, trazendo ao palco, uma formação bem a moda antiga: um violão 7 cordas, dedilhado pelas mãos de Emanuel Soares, um pandeiro, ritmado por João Paulo Oliveira, um acordem, sanfonado por Chiquinho do Acordeom e a voz afinada da interprete Karen Tavares.
O público contará, além de interpretações musicalmente próximas às originais, com a produção artística de Andrey Alves remontando cenários e figurino da época, que o fará reviver às grandes emoções da era de ouro das músicas de amor.

Serviço:
Show "Uma Canção de Amor."
Data: 16 e 23 de Março
Hora: 19 horas
Local: Centro Cultural Sesc Boulevard
Entrada Gratuita.


fonte: jornalista Eduardo Rocha 

março 11, 2014

Editores y periodistas en El Salvador para seminario sobre periodismo digital de la SIP

La SIP presenta en El Salvador el seminario Redacciones, audiencias y líderes de diarios digitales, que hará un resumen de las enseñanzas de los últimos años en materia de periodismo digital. El Instituto de Prensa de la Sociedad Interamericana de Prensa (SIP) anunció hoy que durante los días 13 y 14 de marzo del 2014 desarrollará un seminario sobre temas de periodismo digital para líderes de la Sala de Redacción en San Salvador, El Salvador. Redacciones, audiencias y líderes de diarios digitales contará con la participación de destacados especialistas en la materia: J.P. Ferrari, Editor Digital de Grupo Nación, Costa Rica; Fernando Golscher, Gerente multimedia y revista del Grupo Dutriz; Benjamín Morales, subdirector general Redacción GFR Media, Puerto Rico; Juan Eloy Martín, Director de Comercial-Marketing PROTECMEDIA, España; Eduard Ramos, Socio director de Polinomi Media; David Sancha, Director de proyectos en Xalok; y Fabricio Torres, Editor Central de Contenido Web de El Comercio. El seminario es patrocinado por el diario La Prensa Gráfica (Grupo Dutriz), Telefónica y Protecmedia. Más de 50 representantes de publicaciones de diferentes países de América Latina (Costa Rica, Ecuador, España, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Perú, Puerto Rico), se darán cita en San Salvador. (+por cá)

março 07, 2014

o amor vai se afastando, para dar lugar à pesquisadora?


imagem: divulgação
é isso que vamos ver, para nos responder. até o presente momento, falar de elizabeth bishop era o mesmo que falar de lota macedo. agora, a atriz regina braga nos traz a bishop pesquisadora, desgarrada de lota como sentimento, e a transforma em referência, apenas. por cá, é a escritora que nos revisita. quer se responder? vá ao teatro, porque estão falando de você. não é incrível?



Espetáculo consagrado pela crítica e público chega a Belém

Em 1951, a poeta americana Elizabeth Bishop (1911-1979) veio passar alguns dias no Rio de janeiro e ficou por quinze anos. Depois de vencer as resistências diante dos contrastes geográficos e culturais do Brasil, ela mergulhou em um intenso romance com a arquiteta urbanista Lota Macedo Soares,  responsável por sua estadia no país, onde produziu uma parte importante de sua obra. 

Baseada  nesse  período  da  biografia  da  autora,  a  jornalista  e  dramaturga  Marta  Góes concebeu  o  monólogo  dramático “Um  Porto  para  Elizabeth  Bishop”,  feito sob  medida para  o  talento  da  atriz  Regina  Braga.  A  peça  estreou  em  2001  e    teve  várias  outras temporadas, inclusive fora do país. 

O  espetáculo,  com  direção  de  José  Possi  Neto,  ganha  apresentações  nos  dias  7  e  8  de março, sexta e sábado, às 21h, e dia 9, domingo, às 18h. A produção nacional é da Ágora Produções Teatrais e Artísticas.  Os ingressos (R$ 20,00 e R$ 10,00 a meia, para qualquer lugar  no  teatro),  à  venda  na  bilheteria  do  Theatro  da  Paz,  das  9h  às  18h.  A  turnê  pelo Norte tem patrocínio do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura. 

“Esse espetáculo me faz bem, me faz retornar a esse texto da Marta, que eu adoro, porque é muito direto e de grande comunicação com a plateia. Todo mundo se interessa em saber o que é que essa gringa, inteligente e sensível, viveu aqui no Brasil . Aliás, ela esteve no Pará e escreveu um relato muito interessante chamado Viagem a Vigia”, conta. 

O encontro entre Bishop e o Brasil exuberante e inquieto dos anos 50 e 60 rendeu a sua trajetória,  poemas,  livro-reportagem  (Brazil,  publicado  pela  Life)  e  cartas  (reunidas em  Uma  arte,  sua  correspondência  completa).  Bishop  teve  seu  nome  incluído  nos  mais importantes balanços da produção literária dos últimos 100 anos. 

“Estou  muito  feliz  de  fazer  essa  peça  em  Belém”,  diz  a  atriz  Regina  Braga,  que  estará pela  primeira  atuando  no  palco  do  Theatro  da  Paz.  “Será  um  prazer  apresentar  este espetáculo ao público paraense, pois ele tem sido muito bem recebido nas diversas vezes em que já foi remontado. Ano passado fomos para Portugal e tivemos vários convites para apresentações em SP”, diz. 

A  história  de  Elizabeth  Bishop  por  aqui  também  traz  à  tona  personagens  da  história recente do Brasil, como Carlos Lacerda, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Mello Neto e, sobretudo, Lota Macedo Soares, a razão pela qual Elizabeth, que  pretendia  apenas  fazer  uma  escala  no  Rio,  durante  uma  viagem  em  torno  do continente, e acabou permanecendo no Brasil por tanto tempo. 

Regina  vive  a  personagem  dos  40  aos  67  anos  e  acredita  que  o  tempo    beneficiou  o espetáculo.  “Ganhei  um  olhar  sobre  a maturidade.  Se  antes  eu  focava  no  encantamento dela em relação ao Brasil, hoje tenho uma visão mais voltada para o fim de sua vida”, diz a atriz.

Sobre Regina Braga - Reconhecida intérprete, versátil nos registros cômicos e dramáticos, além  desse  espetáculo  que  corre  sempre  paralelo  a  sua  carreira,  a  atriz  também interpretou  um  texto  argentino  chamado  “Desarticulações”,  de  Sylvia  Molloy,  com temporada no Museu da Imagem e do Som de São Paulo, este anos em SP.

“E já  tenho planos de remontá-lo”, confessa a atriz que este ano já  tem inúmeros outros compromissos. “Agora estou indo para a Bahia fazer um filme sobre a vida da Irmã Dulce. E assim que acabar a filmagem vou pra Manaus fazer a Bishop”, complementa. 

 A  atriz acumula,  em  sua  formação,  o  curso  da  Escola  de  Arte  Dramática, estágios realizados  na  França  e  junto  à  formação  em  psicodrama.  Estreia  profissionalmente  em 1967 no espetáculo A Escola de Mulheres, de Molière, com direção de Isaias Almada para o Núcleo 2 do Teatro Arena. 

Participa,  em  1970,  de  A  Cantora  Careca, de  Eugène  Ionesco,  encenação  de  Antonio Abujama; A Longa Noite de Cristal, de Oduvaldo Vianna Filho, e O Interrogatório, de Peter Weiss e encenações de Celso Nunes. Com o mesmo diretor, em 1971, é a vez dela estrear E Se a Gente Ganhar a Guerra?, de Mário Prata. Seu primeiro destaque surge em Coriolano, de William Shakespeare, ao lado de Paulo Autram, em 1974. 

No ano  seguinte, em Equus,  de  Peter Shaffer,  há novas  colaborações  com  Celso Nunes e boas oportunidades surgem nas encenações de Bodas de Papel, de Maria Adelaide Amaral Neto, sendo  dirigida  por  Cecil Thiré, em  1978 e em  Patética,  de  João Ribeiro  Chaves Netto, em 1980. Em 1983 protagoniza Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas, também de Maria Adelaide Amaral , para o Teatro Popular do Sesi, trabalho que lhe rende diversos prêmios. Em 1986, é dirigida por Marcio Aurélio, em O Segundo Tiro, de Robert Thomas. 


imagem: cris moreno - atriz após participação
 no sem censura, da tv cultura, local.
Regina Braga cresce em prestígio na peça Uma Relação Delicada, com direção de William Pereira, tradução  de  Zélia  do  Vale  Resende  Brosson,  em  1989,  ganhando  o  Prêmio Mollière de melhor atriz. Em  1996  retorna  ao  palco,  ao  lado  de  Toni  Ramos, para  uma  versão  de  Cenas  de  um Casamento, baseado  no  roteiro  de  Ingmar  Bergman. Em  1998,  interpreta  Amanda Wingfield, de À Margem da Vida, de Tennessee Williams, com encenação de Beth Lopese. Mais  recentemente  Regina  Braga  também  dirigiu  um  espetáculo  sobre  a  obra  de  Luiz Tatit (compositor aqui de SP) com a Zêlia Duncan. “Esse espetáculo precisa ir para Belém porque é muito lindo e a Zélia faz um ótimo trabalho de atriz”, finaliza.

 Serviço 

“Um Porto para Elizabeth Bishop”. Apresentações nos dias 7 e 8 de março, sexta e sábado, às  21h,  e  dia  9,  domingo,  às  18h.  Produção  nacional  é  da  Ágora  Produções  Teatrais  e Artísticas.  Patrocínio do  Programa  Petrobras  Distribuidora  de  Cultura. Os  ingressos custam R$ 20,00 e R$ 10,00 a meia, para qualquer lugar no teatro, à venda na bilheteria
do Theatro da Paz, das 9h às 18h. 

SUCESSO DE CRÍTICA 

Há quantos anos não saía do teatro com alguma coisa acrescentada à minha vida? Saí gratificado e feliz, querendo conversar mais, partilhar com amigos a hora e meia que relata o trajeto feliz/dolorido que foi a passagem de Bishop pelo Brasil e sua paixão Por Lota Macedo Soares. Sou anacrônico, gosto da alta qualidade de um texto e me deixo envolver quando a direção é perfeita. E poderia ter assistido de joelhos a interpretação comovente de uma atriz que só tem crescido.
Ignácio de Loyola Brandão. O Estado de S. Paulo 15 de junho de 2001 

A encenação é despojada e muito bem concebida para o amparo ao monólogo. A direção de José Possi Neto é limpa, simples, explora o espaço cênico de modo a dar a variedade possível a um espetáculo solo e cria gradações emocionais com cuidado. Estas últimas, é claro, ele pôde buscar porque tinha como sua intérprete Regina Braga, que realiza aqui talvez o melhor de seus muitos bons trabalhos.
Barbara Heliodora. O Globo.

Elizabeth Bishop, de capa de chuva e óculos escuros, ocupa o centro do palco, agarrada numa valise e num passaporte (...) Surpreendentemente, esta cena de abertura de uma poderosa peça inédita sobre a consagrada poeta americana, não acontece na Broadway, mas num teatro em São Paulo. E a atriz que recita a métrica elegante do verso de Elizabeth, levantando as platéias a cada noite, fala português.
Mac Margolis. Newsweek, 30 de julho de 2001 

A peça Um Porto para Elizabeth Bishop vem contribuir para o resgate da memória de uma das mais importantes poetas da história, que viveu no Brasil seus anos mais produtivos. Mas não vá pensando em um espetáculo sobre poesia como um recital interminável. O texto leve e elegante trata do Brasil em uma visão apaixonada, doce e sem ufanismo. O cenário, a trilha e a iluminação dialogam com a atriz e traduzem o espírito da época em que a poeta viveu aqui.
Tatiana Alves. O Tempo. Belo Horizonte, 26 de outubro de 2001 

(...) Um monólogo que nem parece um monólogo, de tão fluente que é, interpretado à risca por Regina Braga. A gente nem nota que ela está sozinha no palco. Ela contracena com fantasmas o tempo todo. Quase podemos vê-los.
Eugênio Bucci. Jornal do Brasil, 16 de agosto de 2001 

Que combinação extraordinária entre um excelente texto, uma admirável interpretação e uma impecável direção -- sem falar no cenário, na trilha sonora e na iluminação--. Que rara harmonia entre emoção e estética. Fui para ver um monólogo e "vi" duas mulheres em cena. Elizabeth e Lota. Não me perguntem como isso acontece.
Zuenir Ventura. O Globo, 25 de agosto de 2001 

Uma partitura complexa e fecunda, que teve a felicidade de ser composta para uma atriz que parece atingir sua maturidade plena. Regina domina com tranquilidade todas as sutilezas requeridas. (..) Não é seguro o porto que recebeu Elizabeth Bishop, mas a sua lucidez de poeta nos ajuda a recordar a utopia que se perdeu no golpe militar e que agora buscamos de volta.
Sergio Salvia Coelho. Folha de S. Paulo 

O texto de Marta Góes costura com agilidade algumas das melhores passagens das cartas reunidas em Uma Arte, para contar os 15 anos da poetisa no Brasil. Encadeia insights da poetisa a favor e contra o País e desse modo equilibra-se até o fim.
Daniel Piza. O Estado de S. Paulo, 15 de julho de 2001 

A peça Um Porto para Elizabeth Bishop descreve o período em que residiu no Brasil, do começo cheio de esperança ao atormentado final, apoiando-se fortemente em seus poemas e cartas. Mas seu principal foco é o romance turbulento com a arquiteta e paisagista Maria Carlota Macedo Soares e o impacto que essa relação teve sobre o desenvolvimento de Bishop como escritora.
Larry Rohter. New York Times, 6 de agosto de 2001  

Assessoria de Imprensa